Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rabiscos Soltos

Rabiscos Soltos

cenas da vida moderna

Não és feminista, és feminazi

Se não és por mim, és contra mim

Se não pensas como eu, estás errada

Se defendes os animais... então e as crianças?

Se defendes as crianças... então e os velhos?

Se condenas uma acção dos EUA... então mas nunca falaste do bangladesh?

Se és contra a tourada... então e a tradição? E as crianças?

Se partilhas uma notícia que foi divulgada num jornal respeitável... és burra porque acreditas nos media tradicionais e eu é que sei

Não interessa se falas do que sabes... há sempre quem nem sequer seja da área mas seja, obviamente, especialista

Se dizes uma parvoíce qualquer ... mata-te (sim, é uma das respostas da moda)

Se ousas pedir dados para te informar mais... és estúpida porque a tua opinião devia ser a minha, sem questões ou estás errada

...

...

É cansativo viver em 2018!

 

publicado às 17:03

Ai Portugal, Portugal

Ai, Portugal, Portugal 
De que é que tu estás à espera? 
Tens um pé numa galera 
E outro no fundo do mar 
Ai, Portugal, Portugal 
Enquanto ficares à espera 
Ninguém te pode ajudar

 

Por acaso (talvez não por acaso) gosto muito das letras do Palma (mas aquele DVD do Só, Oh amigo, que raio foi aquilo? e um concerto tão bom, sei-o eu que estive lá). Mas não é do Palma que quero falar mas do país do Palma. Deste país que está sempre à espera de qualquer coisa, com um pé numa galera e outro no fundo mar.

Uma das coisas que mais me irrita é esta fatalidade que temos e esta mania de sermos treinadores de bancada, de não nos responsabilizarmos por coisa de nenhuma e, obviamente, sabermos sempre o que os outros fazem de mal (mas nós nunca, nós nunca, são os outros).

Qdo pus no facebook o texto que escrevi acerca da entrada dos animais numa restaurante (é o post anterior a este, se quiserem ler) tive, como já esperava, algumas lições de moral. Podiam ter-me dito que não concordavam e pronto, que não iriam ao dito restaurante porque não concordavam com tal e estava a coisa arrumada. Mas Português que é Português não concorda com isso porque os outros portugueses são pessoas de fraca educação e nenhum civismo e vai tudo ser uma rebaldaria, vão voar pêlos, garfos e copos, vão haver lutas e mijadelas pelo ar e pelo chão. Vai ser o terror porque os Portugueses são todos uns porcos.

Da mesma forma, acho sempre imensa piada quando se fala de horários laborais: os portugueses adoram fingir que trabalham, ficar até tarde e não são nada produtivos. Se falarmos de quem fuma então, nem pensar, as pausas para fumar são a raiz de todos os males (mas as pausas para ir ao twitter ou ao facebook já não são, porque quem o faz está a pensar o mesmo tempo e o cérebro dos fumadores aparentemente pára de vez em quando). Claro que quem faz este género de comentário não se inclui nestes portugueses.

Aliás, nós nunca nos incluímos neste género de coisa (sim, eu tb o faço, às vezes) e temos a tendência para nos moldarmos aos defeitos num fatalismo que me irrita e que nos leva a não ser a mudança que queremos ver no mundo.

 

publicado às 16:42

E tu vais levar o animal para o restaurante?

Oh senhores, o meu gato é anti-social, até custo a levá-lo ao veterinário, vou agora levá-lo para o restaurante. Tenham juízo.

Mas não sou contra esta lei que permite que um animal vá com os donos para o café.

As discussões que tenho lido sobre o assunto são absolutamente estúpidas. Desculpem-me, eu até gosto muito alguns de vocês, mas parem lá de ser drama queens, que não acredito que alguma vez estejam a jantar com 10 cães à bulha na mesa do lado.

E do outro lado, parem de comparar cães e crianças. Sim, vão ter que levar com crianças nos restaurantes, sim, vão ter que levar com maminhas a dar de comida aos pimpolhos, vão ter que levar com birras e brincadeiras dos filhos dos outros. Deal with  it ou ide para outro restaurante. Azareco.

Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.

Qual é o drama de ir passear o cão e parar para beber um café, comer qq coisa, ler uma revista com o bicho aos pés?  Acreditem, se o cão estiver a incomodar os outros, esse dono vai ser o primeiro a pedir desculpa e ir embora.

Acreditam mesmo que vai haver muita gente a levar o cão ao restaurante da moda, num sábado à noite, só porque pode? Sinceramente não acredito. A maioria das pessoas que tem animais sabe que esses animais não estão assim tão à vontade junto de gente estranha e gosta demasiado deles para os expor a isso. 

Estou a imaginar que as velhotas vão levar o cão a pilhas a beber chá com as amigas (e so what?) e que o bicho não vai sair da mala, é afinal o único ser que acompanha a sério aquela pessoa, o único verdadeiro amigo que lhe afasta a solidão.

Sim, vai haver palermas no início, há sempre. Mas depois outra polémica vai aparecer e vamos entrar na normalidade.

Sim, de inicio vai haver gente que vai experimentar e depois perceber que o seu cão dá mais trabalho num café que em casa e não o torna a levar. E depois vamos entrar na normalidade.

Quanto a mim conheço alguns cães que vão ao café com os donos. Uns ficam com os donos na esplanada, outros ficam à porta à espera, outros entram sorrateiramente ou à descarada e não se passa mais nada. 

Ah e quanto aos outros animais para além de cães? Esqueçam, quem tem gatos sabe bem que levá-los à rua fora da transportadora é um terror.

Chamei a este post "E tu vais levar levar o animal para o restaurante?" mas poder-lhe-ia ter chamado "a montanha pariu um rato" porque é o que acho que é discussão é.

 

publicado às 11:23

Procrastinar, versão adulto

Trazer, voluntariamente, trabalho para fazer no fim de semana é sintoma do muito que tenho para fazer num prazo relativamente curto. Terei que fazer, ao longo das próximas semanas, boa parte do que tenho para fazer fora das horas normais de expediente. Ninguém tem culpa, ninguém me pode ajudar, são prazos definidos internacionalmente que o obrigam, é um facto e não há muito a fazer nem a discutir.

Claro que, assim que pensei em abrir o computador para trabalhar um pouco, vi logo inúmeras coisas urgentes para fazer aqui em casa.  

Mas tenho que ser sincera: apesar de ter trabalhado um bocadinho - o suficiente para não me sentir completamente culpada - o que mais fiz foi procrastinar, em versão adulto... Desde arrumar gavetas e estantes a fazer uma maravilhosa tarte de amêndoas, passando por terminar uma leitura de um livro que se arrastava há demasiado tempo, o meu fim de semana foi bastante preenchido.

Faltou-me coragem de procrastinar como deve ser: de pijama no sofá, com pizza e take-away às refeições a pôr (más) séries de TV em dia.

publicado às 20:48

Com linguagem imprópria para gente sensível (zinha).

Há quem fique muito surpreendido quando me ouve a dizer palavrões mas isso é só porque não me conhece realmente bem. Na verdade sou um género de "camionista mental" que manda muita gente à merda (ou para outros sítios igualmente simpáticos) em pensamento e que, de uma forma mais ou menos silenciosa, usa muito expressão "puta que pariu". Se estou irritada, mas num dia bom, sai-me (ou penso) às vezes um "era dar-lhe com um gato morto nas trombas até o desgraçado miar" (o gato, não a pessoa, obviamente, que o género de pessoa a quem digo isto não fala gatês). Deixei de usar a expressão "era marrar de frente com um comboio" porque comecei a sentir-me culpada pela violência da imagem e porque geralmente a usava em estados emocionais em que era muito complicado explicar a alguém a diferença entre ser ou não literal sem a insultar mais um bocadinho.

Ora, isto interessa para quê? Nada, claro, excepto que há dias, como hoje, em que o único alívio possível é um sonoro Foda-se (por favor nunca escrevam fodasse, perde toda a credibilidade e sonoridade) ou escrever assim de rajada uma parvoíce qualquer. 

publicado às 17:40

A triste verdade

Quem me conhece há uns anos (vá, para efeitos estatísticos consideremos uns 20) dirá que estou muito mais calma e ponderada. Que já não expludo com tanta facilidade, que já consigo virar as coisas e sair de uma discussão, que perco menos vezes a razão põe ser emotiva e que cresci imenso.

...

...

Na verdade, passo a vida a revirar os olhos mentalmente, a mandar - em silêncio - gente à merda e a outros sítios igualmente interessantes. Simplesmente, cada vez tenho menos paciência para a maioria das pessoas que me rodeiam e já "desisti" da maioria dos meus conhecidos há muito.

publicado às 16:11

Planos para a semana

Terminar pelo menos uma das tardes desta semana numa esplanada desta cidade, eu e um livro, quiçá algum amigo. Uma limodada com hortelã se estiver calor, um chá de ervas se estiver frio. Se chover pode ser o mesmo num café com vista para a chuva. Duas horas, nem sequer peço muito. E o telefone desligado.

publicado às 21:12

4 horas

foi o tempo que hoje, seguido, perdi entre  Skype e o Telefone. Cada vez que pensava que já não tinha nada pendente a merda do telefone tocava novamente. Skype, telefone e telemóvel. E nem sequer é o meu aniversário e não, não estou grávida (em tudo na minha vida a primeira pergunta é "mas estás grávida?")

Podemos voltar ao momento em que para falar com alguém tinha que ir à cabine telefónica mais perto e em que contava os impulsos gastos no cartão?

 

publicado às 21:25

Mais sobre mim

imagem de perfil

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D