Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rabiscos Soltos

#FIquemEmCasa Em tempos de isolamento social um blog pode ser uma janela para mundo. Fiquem em casa. Leiam. Escrevam. Ajudem. Sejam melhores. Sejam maiores. Mas fiquem em casa.

Rabiscos Soltos

#FIquemEmCasa Em tempos de isolamento social um blog pode ser uma janela para mundo. Fiquem em casa. Leiam. Escrevam. Ajudem. Sejam melhores. Sejam maiores. Mas fiquem em casa.

Dia Internacional da Mulher

08.03.17, P.

Para a maioria dos meus amigos (sem distinção de género) ser feminista e não querer “comemorar” o dia Internacional da mulher é apenas uma das minhas excentricidades. Afinal, eu não tenho nada de que me queixar: tenho um bom emprego, liberdade para ser o quiser, para pensar o quiser, um marido que me “ajuda” imenso e com o qual faço uma equipa 5 estrelas.

Ser feminista é a minha excentricidade e defeito mais ou menos aceite (já sabem que neste dia me vão ouvir falar em mutilação genital feminina - leiam este texto, pf). O paternalismo com que dizem “lá estás tu” ou “cuidado que a Pat é toda feminista” deixa-me à beira de um ataque de nervos e na maioria das vezes a minha resposta não passa de um olhar mortífero.

Sempre que se aproxima o Dia Internacional da Mulher começam a aparecer textos, crónicas, notícias, números e brincadeiras.

Os números, infelizmente, reflectem uma realidade de desigualdades, de morte e de discriminação associada ao género. E se é verdade que nos países da Europa as coisas estão maravilhosas comparativamente com o que se passa nalguns sítios, também é verdade que na Europa (e em Portugal em particular) os números são claros: não há ainda igualdade de género.

A maioria dos textos que tenho lido vão no sentido que considero correcto: na exposição das desigualdades e na tentativa de dar mais um passo até que haja igualdade (na diferença) de géneros; igualdade nos deveres, igualdade nas oportunidades.

Mas tenho-me vindo a aperceber de uma tendência cada vez mais patente nas palavras e que me preocupa um pouco.

Confundir feminismo com histerismo; compartimentar as feministas como as “loucas das casa” que se acham superiores aos homens, ridicularizar uma luta pela igualdade desvalorizando-a, assumindo um tom paternalista de “coitadas, falta-lhes sentido de humor”, pegando em áreas onde as mulheres se começaram a destacar e arranjando “desculpas” e argumentos para demonstrar que isso só acontece porque a sociedade as está a proteger. A cereja no topo do bolo para mim é sempre a desvalorização da violência sobre as mulheres porque “há muitos homens que são agredidos pelas mulheres e calam por vergonha", como se os números se pudessem igualar ou uma coisa compensasse a outra.

Nenhuma feminista diz que as mulheres são melhores que os homens. Mas aparentemente dizermos que, em deveres, direitos e oportunidades são iguais, assusta tremendamente uma parte da sociedade (também aqui, sem diferenciação de género).

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.