Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rabiscos Soltos

Bem-vindo à fábrica da saúde

06.04.17 | P.

Sou, felizmente, pouco assídua nos hospitais. Talvez por isso me tenha surpreendido um pouco com a versão "linha de montagem" de um conhecido hospital privado (nem vale a pena referir qual uma vez que são, na verdade, todos iguais).

A verdade é que ter um seguro de saúde nos poupa imenso tempo. Para além disso, eu considero que devemos, sempre que possível, não sobrecarregar o SNS por dá cá aquela palha (e este meu caso era mesmo uma palha, nem vale a pena falar nisso). Enfim, adiante.

Nas urgências, foi tudo pacífico. A triagem super rápida e a chamada para a consulta também (eu era a única pessoa a ler na sala de espera - informação absolutamente desnecessária). Quando entro no cubículo onde teria a consulta não pude deixar de reparar em várias coisas, sendo a mais flagrante a total ausência de privacidade. Uma cortina dá-nos a ilusão de privacidade mas ouvir os diagnósticos e afins dos outros pacientes rapidamente nos devolve à realidade. Tudo naqueles gabinetes está feito para deixar o paciente pouco à vontade, a começar pela tal cortina e acabar nos médicos sentados numa cadeira alta (mais alta que a dos pacientes) de forma a estabelecer a ordem das coisas.

Quando foi fazer um dos exames que precisava (já noutra clínica do mesmo grupo empresarial) fiquei estarrecida quando fui conduzida para uma ante-sala de onde ouvia perfeitamente a conversa entre o médico e a paciente anterior (que eu tinha visto ir para lá pelo que sabia exactamente quem ela era) e os cuidados que ela deveria ter se por acaso engravidasse. 

Quando entrei o "sor doutor" nem bom dia me disse, não se virou para mim, ignorou-me e continuou a fazer o relatório (ditado para que o programinha o transformasse em palavras escritas) onde me deu a conhecer, em pormenor, todas as maleitas da paciente anterior e que me permitiram (mais coisa menos coisa) interpretar as imagens que estava a ver (sim, vi os resultados dos exames da senhora). 

Eu não a conheço nem percebo a maior parte da gíria médica mas quer-me parecer que, na pressa da coisa e para manter a linha de montagem oleada em funcionamento, aceitamos passivamente (e ainda pagamos por isso) ser tratados como peças da engrenagem.

Mas tudo limpinho e cheiroso, não é cá como no SNS.

(estou sinceramente a considerar fazer uma reclamação formal).

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.