Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rabiscos Soltos

Rabiscos Soltos

A minha tribo

Sempre vivi entre o campo e cidade, saltitando com facilidade entre um e outro grupo. Na verdade esta facilidade era, por vezes, esforçada, fabricada, pouco natural. Sempre me senti parte da tribo mas não completamente. Percebem o que quero dizer?

Na aldeia era meio estranha, ouvia música um bocadinho diferente, achava que tinha direito ao mesmo que os rapazes (e felizmente a minha mãe também), gostava de andar de skate e patins, lia livros e jogava às cartas e ao berlinde. Na cidade era meio estranha, vivia longe da família, tinha liberdade e nunca estava disponível nas férias e nos fins de semana – ia para a aldeia. E claro, ouvia música um bocadinho diferente, achava que tinha direito ao mesmo que os rapazes, conhecia todos os cães da vizinhança (apesar de não conhecer os vizinhos) e lia livros.

Na aldeia não tinha biblioteca, exceto a da minha casa, na cidade, era das poucas que frequentava a biblioteca, onde rapidamente deixaram de me tentar orientar nas leituras (tentavam, de início, que as crianças lessem o que era adequado à sua idade – comigo isso durou cerca de 2 semanas).

Ainda hoje me sinto assim, estranha mesmo onde pertenço e precisei de chegar à idade adulta para encontrar a minha tribo, cheia de pessoas diferentes, vindas de todo o mundo, que falam a mesma língua que eu. Pessoas com quem consigo ser eu, esta mistura de serra, mar e cidade e continuar a ser meio estranha e isso, finalmente, não ser nada estranho.

publicado às 10:50

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D